sexta-feira, 24 de abril de 2009

Soneto

Queria navegar em marés calmas

Por um tempo esquecer as tempestades

E quem sabe até sentir saudades 

Dos mares revoltos de minh'alma


Fazer minha bússola perder o norte

E me guiar só por estrelas

Se é preciso amar para entende-las

Não estarei entregue a pura sorte


E ao amanhecer, de mais um dia 

Vou, embalado pela calmaria,

Buscar, sem mapas, outra conquista


Içar minhas velas, rumo ao futuro

Em busca de um porto, enfim seguro

Pra ouvir de novo, terra a vista

Nenhum comentário: